TUDO PARA ENTENDER E ACOMPANHAR O GRAMMY 2017

Postado por Dayw Vilar em 12/02/2017, 17:41:23

A correria não permitiu, mas antes tarde do que mais tarde ainda. Hoje, a partir das 23h (horário de Brasília), o 69º Grammy Awards vai premiar os melhores da indústria fonográfica de 2016. Beyoncé e Adele lideram as indicações para os prêmios da noite, que homenageará Prince e George Michael.

Resultado de imagem para grammy 2017

2016 não só venceu na categoria caos no mundo e nos desastres pessoais, mas lacrou no quesito excelentes lançamentos musicais. Teve o fantástico “Lemonade”, o “25”, o “Blackstar”, o “Anti”… Só pra começar. Na lista de indicados temos as já citadas Adele e Beyoncé, além de Bowie, Rihanna, Drake, Kanye West, Demi Lovato, Sia, Solange Knowles. A disputa será a verdadeira materialização de “briga de cachorro grande”.

Resultado de imagem para grammy 2017

O show será apresentado pelo carismático e animado e talentoso James Corden (que faz o CarPool Karaoke com as estrelas) e terá shows, muitos shows, shows demais. Katy Perry que lançou esta semana o single “Chained to the Rhythm” vai. Confirmados ainda estão Gaga com a banda Metallica, Bruno Mars, Alicia Keys, John Legend e outros. Abaixo tá o compac da noite!

No Brasil, todo mundo pode acompanhar pela TV a cabo, no canal TNT. Há também a opção se acaompanhar pelo stream do próprio Grammy. Clica aqui!

CONFIRA O RESUMÃO DA NOITE E FAÇAM SUAS APOSTAS!

  • Performances da noite 
    Metallica e Lady Gaga
    Beyoncé
    Adele
    Katy Perry
    The Weeknd e Daft Punk
    John Legend e Cynthia Erivo
    Bruno Mars
    Keith Urban e Carrie Underwood
    A Tribe Called Quest e Anderson .Paak
    Lukas Graham
    Alicia Keys e Maren Morris
    Chance The Rapper
    Sturgill Simpson
    William Bell e Gary Clark Jr.
    Little Big Town
    Demi Lovato, Andra Day e Tori Kelly
    Kelsea Ballerini

 

  • Indicados

Álbum do Ano
Adele – “25″
Beyoncé – “Lemonade”
Drake – “Views”
Justin Bieber – “Purpose”
Sturgill Simpson – “A Sailor’s Guide to Earth”

Gravação do Ano
Adele – “Hello”
Beyonce – “Formation”
Rihanna feat. Drake – “Work”
Twenty One Pilots – “Stressed Out”
Lukas Graham – “7 years”

Música do Ano
Beyoncé – “Formation”
Adele – “Hello”
Mike Posner – “I Took a Pill in Ibiza”
Justin Bieber – “Love Yourself”
Lukas Graham – “7 Years”

Artista Revelação
Kelsea Ballerini
The Chainsmokers
Chance The Rapper
Maren Morris
Anderson .Paak

Melhor Performance Pop Solo
“Hello” — Adele
“Hold Up” — Beyoncé
“Love Yourself” — Justin Bieber
“Piece By Piece” (Idol Version) — Kelly Clarkson
“Dangerous Woman” — Ariana Grande

Melhor Performance Pop de Dupla ou Grupo
“Closer” — The Chainsmokers feat. Halsey
“7 Years” — Lukas Graham
“Work” — Rihanna feat. Drake
“Cheap Thrills” — Sia feat. Sean Paul
“Stressed Out” — Twenty One Pilots

Melhor Álbum Pop Vocal
25 — Adele
Purpose — Justin Bieber
Dangerous Woman — Ariana Grande
Confident — Demi Lovato
This Is Acting — Sia

Melhor Performance de R&B
BJ The Chicago Kid – “Turnin’ Me Up”
Ro James – “Permission”
Musiq Soulchild – “I Do”
Rihanna – “Needed Me”
Solange – “Cranes In The Sky”

Melhor Performance Tradicional de R&B
William Bell – “The Three of Me”
BJ The Chicago Kid – “Woman’s World”
Fantasia – “Sleeping with the One I Love”
Lalah Hathaway – “Angel”
Jill Scott – “Can’t Wait”

Melhor Música de R&B
PartyNextDoor feat. Drake – “Come See Me”
Bryson Tiller – “Exchange”
Rihanna – “Kiss It Better”
Maxwell – “Lake By the Ocean”
Tory Lanez – “Luv”

Melhor Álbum Urban Contemporâneo
Beyoncé – Lemonade
Gallant – Ology
KING – We Are King
Anderson .Paak – Malibu
Rihanna – Anti

Melhor Álbum de R&B
BJ The Chicago Kid – In My Mind
Lalah Hathaway – Lalah Hathaway Live
Terrace Martin – Velvet Portraits
Mint Condition – Healing Season
Mya – Smoove Jones

Melhor Performance de Rap
Chance the Rapper – “No Problem” [feat. 2 Chainz e Lil Wayne]
Desiigner – “Panda”
Drake – “Pop Style” [feat. The Throne]
Fat Joe / Remy Ma – “All the Way Up” [feat. French Montana e Infrared]
Schoolboy Q – “That Part” [feat. Kanye West]

Melhor Performance Vocal de Rap
Beyoncé – “Freedom” [feat. Kendrick Lamar]
Drake – “Hotline Bling”
D.R.A.M. – “Broccoli” [feat. Lil Yachty]
Kanye West – “Ultralight Beam” [feat. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin e The-Dream]
Kanye West – “Famous” [feat. Rihanna]

Melhor Música de Rap
Fat Joe / Remy Ma – “All the Way Up” [feat. French Montana and Infrared]
Kanye West – “Famous” [feat. Rihanna]
Drake – “Hotline Bling”
Chance the Rapper – “No Problem” [feat. 2 Chainz e Lil Wayne]
Kanye West – “Ultralight Beam” [feat. Chance the Rapper, Kelly Price, Kirk Franklin e The-Dream]

Melhor Álbum de Rap
Chance the Rapper – Coloring Book
De La Soul – and the Anonymous Nobody…
DJ Khaled – Major Key
Drake – Views
Schoolboy Q – Blank Face LP
Kanye West – The Life of Pablo

Melhor Performance Country – SOLO
“Love Can Go to Hell” – Brandy Clark
“Vice” – Miranda Lambert
“My Church” – Maren Morris
“Church Bells” – Carrie Underwood
“Blue Ain’t Your Color” – Keith Urban

Melhor Performance Country – DUO/GRUPO
“Different for Girls” – Dierks Bentley featuring Elle King
“21 Summer” – Brothers Osborne
“Setting the World on Fire” – Kenny Chesney & P!nk
“Jolene” – Pentatonix featuring Dolly Parton
“Think of You” – Chris Young with Cassadee Pope

Melhor Música Country
“Blue Ain’t Your Color – Keith Urban
“Die a Happy Man” – Thomas Rhett
“Humble and Kind” – Tim McGraw
“My Church” – Maren Morris
“Vice” – Miranda Lambert

Melhor Álbum Country
Big Day in a Small Town – Brandy Clark
Full Circle – Loretta Lynn
Hero – Maren Morris
A Sailor’s Guide to Earth – Sturgill Simpson
Ripcord – Keith Urban

Melhor Performance de Rock
“Joe” (Live From Austin City Limits) – Alabama Shakes
“Don’t Hurt Yourself” – Beyoncé e Jack White
“Blackstar” – David Bowie
“The Sound Of Silence” (Live On Conan) – Disturbed
“Heathens” – Twenty One Pilots

Melhor Performance de Metal
“Shock Me” – Baroness
“Silvera” – Gojira
“Rotting In Vain” – Korn
“Dystopia” – Megadeth
“The Price Is Wrong” – Periphery

Melhor Música de Rock
“Blackstar” – David Bowie
“Burn The Witch” – Radiohead
“Hardwired” – Metallica
“Heathens” – Twenty One Pilots
“My Name Is Human” – Highly Suspect

Melhor Álbum de Rock
California – Blink-182
Tell Me I’m Pretty – Cage The Elephant
Magma – Gojira
Death Of A Bachelor – Panic! At The Disco
Weezer – Weezer

Melhor Videoclipe
Beyoncé – “Formation”
Leon Bridges – “River”
Coldplay – “Up & Up”
Jamie xx – “Gosh”
OK Go – “Upside Down & Inside Out”

Melhor Álbum Dance/Eletrônico
Flume – Skin
Jean-Michel Jarre – Electronica 1: The Time Machine
Tycho – Epoch
Underworld – Barbara Barbara, We Face A Shining Future
Louie Vega – Louie Vega Starring…XXVIII

Melhor Álbum de Música Alternativa
Bon Iver – 22, A Million
David Bowie – Blackstar
PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project
Iggy Pop – Post Pop Depression
Radiohead – A Moon Shaped Pool

Melhor Álbum World Music
Dois Amigos, Um Século De Música: Multishow Live — Caetano Veloso & Gilberto Gil
Destiny — Celtic Woman
Walking in the Footsteps of Our Fathers — Ladysmith Black Mambazo
Sing Me Home — Yo-Yo Ma & The Silk Road Ensemble
Land of Gold — Anoushka Shankar

Melhor Álbum Jazz Latino
30 — Trio Da Paz
Entre Colegas — Andy González
Madera Latino: A Latin Jazz Perspective on the Music of Woody Shaw — Brian Lynch & various artists
Canto América — Michael Spiro/Wayne Wallace La Orquesta Sinfonietta
Tribute to Irakere: Live in Marciac — Chucho Valdés

Melhor Música Escrita para uma Mídia Visual
“Can’t Stop The Feeling” – Trolls (Justin Timberlake)
“Heathens” – Esquadrão Suicida (twenty One pilots)
“Just Like Fire” – Alice Através do Espelho (Pink)
“Purple Lamborghini” – Esquadrão Suicida (Skrillex & Rick Ross)
“Try Everything” – Zootopia (Shakira)
“The Veil” – Snowden (Peter Gabriel)

Melhor Filme de Música
I’ll Sleep When I’m Dead – Steve Aoki
The Beatles: Eight Days A Week The Touring Years – The Beatles
Lemonade – Beyoncé
The Music Of Strangers – Yo-Yo Ma & The Silk Road Ensemble
American Saturday Night: Live From The Grand Ole Opry

A lista completa de indicados vocês conferem no site oficial do Grammy Awards.

O que Beyoncé, Rihanna e Ariana Grande nos ensinaram sobre a indústria pop em 2016?

Postado por Descompasso em 27/07/2016, 18:48:17

Três lançamentos para desmistificar o lugar de diva pop e aprender sobre talento,

por Dayw Vilar

Rihanna - Anti (2016)

Rihanna – Anti (2016)

2016 tem sido um ano agitado para a indústria pop. Discos superproduzidos e com novas estéticas ganharam as prateleiras e os tops dos principais serviços de streaming em todo o mundo e causaram um grande furor.

O primeiro deles marcou a tão esperada produção de um novo álbum da cantora Rihanna. A morena lançou a bolacha “ANTI” com uma remodelação completa de tudo que tinha feito. Largou o pop e entrou na musicalidade o R&B com passagens pelo trap. É o oitavo disco da carreira de Riri e, com palavras da própria, o disco “mais Rihanna de Rihanna”. Conhecida por ser uma artista de singles, dessa vez, a morena foi em cheio e disparou contra os estigmas e toda sua imagem pré-construída.

Essa quebra vem sendo ensaiada desde o quase-country “Five Four Seconds”, de 2015, seguido pelo trap explícito de “Bitch Better Have My Money” ou ainda com a mensagem forte e extremamente política de “American Oxigen”. Rihanna quis mostrar, e conseguiu, que não é uma artista de rótulos.

Voltando pro “ANTI”, o disco tem uma narrativa pautada na mostra das diferences nuances que ela pode fazer. É um disco-arsenal, muito melódico e cheio de boas referências. Ela brinca de trap, como em “Consideration” e “BBHMM”, em “Kiss It Better” e “Desperado” ela flerta com um moody rock. Tem ainda perfumes de muita emoção com “Love in The Brain” e “Higher” e muita sensualidade com a parceria de Drake em “Work”. Rihanna se libertou e mostrou também seu lado fã com um cover fiel de Same Ol’ Mistakes, de Tame Impala. Disponível no Tidal, “ANTI” não tem rótulos. Não é mais uma coletânea de pops de uma diva pop. É um álbum autoral, bem acabado e com uma características de poucos discos: te prende a atenção por todas as faixas. Inclusive, além do stream e dos CDs e discos, ANTI está em tour pelo mundo, sendo bastante aclamado. Rihanna está lá, como ela sempre quis.

Ariana Grande - Dangerous Woman (2016)

Ariana Grande – Dangerous Woman (2016)

Do outro lado do continente musical, se desenha no horizonte uma remodelação de imagem. Ariana Grande, que saiu – como Britney, Timberlake e Aguillera – de um público teen, acaba de lançar seu “Dangerous Woman”. Li em alguns textos a metáfora Ariana quer ser Grande. Mas ela já era antes.

O prenúncio do seu talento em “My Everything” (2014) foi certeiro. A nova produção tem 15 faixas que diluem ótimas referências, originais por essência, com vários estilos musicais. É bonito de ouvir e ver esse amadurecimento. Como o “ANTI”, tem pouco ou quase nenhum material “dançante”. A faixa que abre o disco tem um clima dos anos 50, Moonlight está ali pra introduzir ao potencial soprano que Ariana é. A moça ainda brinca com splashes de disco em “Greedy” e tem uma excelente – e até madura pra pouca idade, ela tem 22 – com “Macy Grey” em “Leave me Lonely”. Não sou adebto, as circustâncias são outras, mas arrisco falar que ela entra pro time de supertalentos com supervozes e uma sensibilidade musical apurada. O mesmo de Whitney, by the way. Ela ainda tem que comer uns pratos de feijão pra chegar no nível de respeito, mas tem começado muito bem. É uma mulher perigosa, muito grande e muito talentosa.

Beyoncé - Lemonade (2016)

Beyoncé – Lemonade (2016)

Outro superlançamento foi o “Lemonade”, de Beyoncé. Ela, que sem sombra de dúvidas representa bem o conceito de superartista, lançou mais um álbum-conceito-visual e parou a rotação do mundo musical este ano. Era esperado uma superprodução, do mesmo jeito que foi o Beyoncé (2013). Não saiu uma fábrica de hits dançantes – parece que agora o hit não é uma batida frequente e refrões com potencial pra memória – mas saiu um disco com mensagem política, empoderamento e muito conhecimento de si própria.

Quando ela subiu ao palco do SuperBowl e literalmente chocou o mundo com o hit Formation, a gente entendeu que a bolacha seguinte não viria pra brincadeira. Beyoncé amadureceu seu discurso de mulher negra e foi na ferida do preconceito racial que vela a sociedade dos Estados Unidos. Celebrou a beleza dos cabelos negros da sua filha, mostrou o descaso que seu povo sofre ilustrando com o abandono aos reparos provocados pelos tornados New Orleans. Criticou ainda a violência da força policial estadunidense contra cidadãos negros. Mostrou sua origem, mostrou seu recado e esfregou que no mundo capitalista, a melhor vingança – talvez até pessoal – é uma pessoa negra com dinheiro.

A lógica de fortes discursos se repete. Cheio de rumores sobre uma traição do seu marido, o todo poderoso Jay Z, ela avisa que reza para pegar um cochicho ou um momento de vigilância. Denuncia que está desconfiada com a forte “Pray You Catch”. É um álbum muito visceral. Ela sofre a desconfiança, ela lamenta a traição, ela mostra que ama, ela mostra que é forte e independente – financeiramente e principalmente, emocionalmente. Ela brinca com as memórias afetivas e alfineta a apropriação cultural dos elementos da cultura negra – raps, traps, souls cantados por brancos – com um country emocionante em “Daddy Lessions”. Numa pegada rocker, com direito a sample de Led Zeppelim, ela avisa “Don’t Hurt Yourself”, tem desespero e tem raiva nos versos, além da participação de Jack White (ex The White Stripes). Ainda na sofrência, ela lamenta que “Ele só me quer quando eu não estou lá. É melhor chamar Becky do Cabelo Bom”.

Em “Freedom”, a sensação é que a gente se transporta para um grande culto de libertação. Ela canta ao lado de Kendrick Lamar a quebra de correntes, celebra a liberdade com feracidade. Há outras faixas brilhantes. Beyoncé passou em “Lemonade” um perfome de pop, rap, R&B, rock, e de uma visão ímpar: é um disco que canta libertações e dores emocionais, políticas num local de fala essencial para dar coerência ao seu trabalho. Parece uma visão general, universal, mas é apenas um excelente composé feito do ponto de vista de uma mulher negra, forte de si e de suas origens e com força para usar seu talento para mudar realidades e provocar duras reflexões.

Se a inspiração veio de rumores de traição ou da ficção, não dá pra saber. O caminho do disco vai da mágoa à reconciliação do casal. Em faixas como “Hold Up” e “6Inch”, parece perder a potência, mas ainda assim é brilhante. Uma produção digna do seu posto na indústria, produzido com parcerias brilhantes, como o já citado Kendrick Lamar e ainda Jack White, The Weeknd e James Blake. A produção musical competentíssima é de Diplo e Hit Boy. Lembrando que toda essa análise é musical, não há elogios para a superprodução visual. Você pode ouvir a obra pelo Tidal ou ainda, tentar correr atrás dos shows da Formation Tour pelo mundo.

Nessas reviravoltas de mercado, a essência, a origem, a base é essencial. Perceber o potencial de um artista nos convida a sair da nossa caixinha do comodismo e nos permitir as experimentações. São três discos excelentes. Espero que curtam!

*** Dayw Vilar é Jornalista em formação, apaixonado por cultura pop e acredita que arte salva.